Ken Paker





Criado inicialmente como um dos personagens da coleção de faroeste "Collana Rodeo", tanto agradou ao editor que esse decidiu dedicar-lhe uma série própria. Ken Parker debutou em junho de 1977. Textos de Giancarlo Berardi e lápis de Ivo Milazzo (que criou Ken com os traços do ator Robert Redford): os dois assinaram quase todos os episódios da série, formando uma dupla que já faz parte da história dos quadrinhos italianos. Com Ken Parker os quadrinhos populares sofreram uma brusca guinada: roteiros densos e temas universais (violência, racismo, exploração, a busca do próprio eu) entram em um cenário que é faroeste apenas na fachada. Infelizmente, um pouco pelas exigências dos autores, um pouco pela dificuldade em conquistar um público numeroso, a série inicial foi interrompida em 1984, no n.59. Em seguida, Ken foi publicado ora em revistas com outros personagens, ora em uma edição periódica (Ken Parker Magazine) e numa coleção de "especiais" de 180 páginas.
Segundo Giancarlo Berardi, seu criador,"Ken Parker é um homem de hoje, com os problemas de hoje. Não tem nenhuma certeza, nenhuma segurança, vive dia após dia com seus próprios ideais,
buscando ardentemente, desesperadamente, corajosamente e dolorosamente ser coerente." Rifle Comprido (seu apelido, devido ao inseparável e arcaico fuzil Kentucky que carrega) é um trapper (caçador de peles), um batedor do exército, um xerife, um detetive, um escritor: faz mil trabalhos no mundo violento e selvagem do velho oeste (suas aventuras começam em 29 de dezembro de 1868), sem perder de vista a própria identidade de homem prático mas idealista, positivo, capaz de amar e se doar com generosidade. A altíssima qualidade dos episódios e a singularidade do personagem, bem distante dos heróis clássicos como Tex e Zagor, conquistaram um pequeno mas aficionado público, além de uma enorme quantidade de críticos cordiais e sempre presentes.
As circunstâncias e a sua vontade de não ficar muito tempo num mesmo lugar obrigaram Ken a deslocar-se constantemente pelos Estados Unidos, o que nunca lhe permitiu partilhar suas aventuras com um companheiro fixo. Assim, uma vez ou outra lhe acompanharam o trapper Dashiell, a geniosa garotinha Pat O'Shane, o gorducho esquimó Nanuk, a cadelinha Lily. Em um certo período Ken foi membro da tribo indígena Hunkpapa, quando casou-se com Tecumseh, posteriormente morta em um ataque do exército americano. Theba, filho de Tecumseh (fruto de um casamento anterior) vive atualmente em Boston, com o nome de Teddy, e considera Ken como um verdadeiro pai.
Nos primeiros episódios Ken defrontou-se com um impiedoso assassino, Donald Welsh, chamado de "O sortudo". Morto Welsh, no n.8 ("Colpo grosso a San Francisco", no Brasil "Encontro em San Francisco"), Ken não teve mais adversários contumazes. A cada episódio, porém, vê-se obrigado a combater quem professa a violência sem sentido, a lutar contra a intolerância, a ignorância, a avidez. O maior e, infelizmente, invencível inimigo não é um personagem de quadrinhos: é o escasso número de leitores, o que obriga seus aficionadíssimos fãs a rezar para que Ken continue cavalgando pelas bancas italianas.
Fonte : UBC Fumetti