Vingador Fantasma

O Vingador Fantasma (Phantom Stranger) é um personagem de quadrinhos da DC Comics, criado por John Broome e Carmine Infantino. Ele é uma entidade em forma humana, de origem desconhecida, com amplos poderes místicos, mas que raramente os usa, preferino ficar mais como um espectador. Suas histórias geralmente começam com o Vingador fazendo uma pergunta penetrante ao leitor sobre algo misterioso, e terminam com algum ensinamento moral ou espiritual.

Sua primeira encarnação (provavelmente você nem a conheça ou ouvira falar) surgiu em 1952 na forma de antologia de horror (gênero hit na época) pelas mãos de John Broome e Carmine Infatino, na revista “Vingador Fantasma” que durou apenas 6 edições. As capas sempre perguntavam “Ele é homem…ou fantasma?”. O fato é que ele sempre estava lá pra ajudar quem precisasse. E no mais a mais o sobrenatural vem… do sobrenatural. Conhecer o Vingador Fantasma iria remover toda a aura de mistério e estranheza da personagem. Essa versão desapareceu em 1953.

Sua segunda encarnação se deu em Showcase #80 de Junho de 1969 (revista embrião da Era de Prata com o repaginamento do Flash no #04 ) onde já se mostrava o visual que o deixou conhecido. Sua origem e nome nessa encarnação também nunca se tornaram claras. Ganhou uma revista própria onde abria sempre as estórias como os seus “primos” da EC Comics, conversando com o leitor apresentando o caso que seria retratado nas páginas subsequentes. Essa encarnação durou 41 edições e talvez tenha perdido o fôlego por conta da repetição de sua formula em uma época onde o gênero Horror já não era o grande filão. Por suas páginas desfilaram grandes nomes da época como: Robert Kanigher, Gerry Conway, Len Wein, Neal Adams e Jim Aparo e o editor era ninguém menos que Joe Orlando. Sua revista foi descontinuada em março de 1976. Vale ressaltar que era um título bimestral.

Suas aparições na DC Comics são raras. Certa vez ele ajudou Batman contra um mestre do vodu. Ele também foi um auxiliar (mas ao que parece, nem mesmo um membro reserva) da Liga da Justiça. No crossover da Liga da Justiça e Vingadores, há uma aparição, na qual o Vingador Fantasma afirma ser membro da Liga. Na saga Góticos Americanos, o Vingador estava entre os místicos que ajudaram o Monstro do Pântano contra a chegada do Mal ao Paraíso. Junto com Superman, ele deteve um cemitério amaldiçoado de criminosos mortos vivos. O Vingador não interveio quando Lobo tentou destruir a Terra com uma bomba de hidrogênio, mas advertiu Jason Blood (Etrigan) e seus associados, de modo que eles puderam deter o czarniano.

O Vingador estava na Brigada dos Encapotados, grupo de místicos que ensinou ao jovem Tim Hunter os fundamentos da magia na série os Livros da Magia.

O Vingador Fantasma leva Timothy numa viagem ao passado, mostrando a história do sobrenatural desde o princípio do universo até os tempos atuais. Nos tempos passados, Tim fica conhecendo a vida de vários magos e tem a oportunidade de ver a que fim a magia os levou. E o desfecho de todas essas histórias é trágico: a imersão de Atlântida, as bruxas perseguidas pela Inquisição e a triste história de Merlim que mesmo sabendo que sua paixão por Morgana levará a sua morte, não tem escolha senão continuar o caminho que levará a esse futuro.

A mini-série Reino do Amanhã mostra o Vingador sendo membro da Quintessência, uma espécie de tribunal cósmico que decide os eventos relacionados a humanidade.

A partir daí o Vingador Fantasma passou a ser coadjuvante em várias estórias e foi da Liga da Justiça por um tempo, até reassumir papel de destaque em Lendas (isso já em 1986, dez anos depois do cancelamento de seu gibi), já depois da mega reformulação que ocorreu após Crise nas Infinitas Terras. Esse seu ressurgimento pelas mãos do excelente John Ostrander foi importantíssimo, tanto como definidor de seu novo status, o de um grande e poderoso observador do bem que prefere interferir o menos possível de forma direta e sim atuar de maneira sutil guiando os heróis do mundo, como teve o papel de aumentar o interesse do público no personagem… Tanto que a DC Comics preparou, ainda durante o andamento de Lendas, um Secret Origins (de Janeiro de 1987) especialíssimo e uma mini série de quatro partes (desenhada por Mike Mignola). O Secret Origins dedicado ao personagem trazia não uma, mas quatro possíveis origens para o Vingador Fantasma que até ali mantinha o mistério sobre seu passado intacto. Produzida por gente do calibre de Alan Moore (precisa de referência?), Mike W. Barr (Camelot 3000, Batman – O Filho do Demônio), Dan Mishkin (Ametista) e Paul Levitz (Legião dos Super-Heróis) nos roteiros e os talentos de Jim Aparo, Jose Luis Garcia-Lopes, Ernie Colon e Joe Orlando nos desenhos.

As quatro possíveis origens apresentadas mostram:

1. Único homem honrado e bom numa cidade bíblica dominada pelo pecado o Vingador Fantasma vê a ira de Deus cair sobre seu povo. Revoltado com a ira de Deus ele tira sua vida e assim cai em pecado… como castigo terá de viver entre os homens mas sem nunca ser de fato um deles. Com o poder de ajudar e a maldição do esquecimento para lhe acompanhar.

 2. Isaac era um homem que se considerava afortunado, pois tinha esposa e filho. Até que o Rei Herodes mandou matar todas as crianças do sexo masculino em Belém na tentativa de assassinar Jesus de Nazaré. Isaac reencontra Jesus já adulto na época em que pregava e passa a odiá-lo. Suborna um soldado no dia da crucificação para que ele possa torturar Jesus a quem culpa por sua perda. O filho de Deus o amaldiçoa a vagar pelo mundo até o dia de seu retorno no Juízo Final. Sendo assim o Vingador Fantasma seria o Judeu Errante da mítica lenda cristã.

3. O Vingador Fantasma, que sempre existiu e existirá, encontra-se no fim dos tempos e tenta impedir que o avatar da anti-vida acelere a morte do universo. Para tanto passa sua essência a outra pessoa que passará daquele momento em diante a ser o novo Vingador Fantasma numa roda que nunca parará de girar.

 4. Na última das quatro origens, justamente a escrita por Alan Moore, o Vingador Fantasma seria um anjo que não tomou partido durante a rebelião no céu que causou a queda de Lúcifer e dos que ao seu lado lutaram. Os anjos do Senhor o rejeitam e os caídos o repudiam. E assim o Vingador Fantasma vagará eternamente sobre a Terra. Imortal e solitário.

Curioso notar que três das quatro origens tem contextualização bíblica e que esse mote foi resgatado no rebootamento do personagem agora em Novos 52 (New 52 nos E.U.A.) onde para nossa alegria (ou nem tanto) finalmente deram uma origem oficial ao Vingador Fantasma. Embora em nenhum momento o nome Judas seja dito, fica óbvio que trata-se dele. A traição do melhor amigo, o suicídio e as trinta moedas são mais do que meros indícios. A caracterização das roupas e a menção do dialeto aramaico também. Então até prove-se o contrário o Vingador Fantasma pós-reboot é Judas Escariotes.

Poderes

Vingador Fantasma tem amplos poderes místicos (teletransporte espacial, temporal e dimensional, a habilidade de dispensar todo o tipo de ilusões e magia, projeção de rajadas de energia com grande força, resistensia fisica/mistica e etc)e não envelhece.

Aparentemente, o Vingador parece sentir alguma espécie de culpa ou temor de que suas ações ou influência interfiram na ordem natural das coisas, e raramente usa seus poderes, preferindo agir mais como um conselheiro.
Ele também parece estar sintonizado com o cosmos: no evento em que Lobo tentou destruir a Terra com uma bomba de hidrogênio, o Vingador percebeu que a Terra estava numa órbita estranha naquela época, muito frágil, e que a detonação do artefato poderia retirar o planeta de órbita, fazendo com que não tivesse vida por éons.